Pronome Pessoal

 

EU é pronome pessoal reto.  Sempre exerce a função de sujeito.

MIM é pronome pessoal oblíquo tônico.  Nunca exerce a função de

sujeito e obrigatoriamente deve ser usado com preposição: a mim, de

mim, entre mim, para mim, por mim…

Exemplos:

EU li o jornal. (sujeito)

Ela trouxe o jornal para MIM. (não é sujeito)

Entretanto, observe:

Ela trouxe o jornal para EU ler.

Nesse caso são duas orações. “Ela trouxe o jornal” é a oração principal

e “para EU ler” é oração reduzida de infinitivo (para que eu lesse).

 

Devemos usar o pronome pessoa reto (EU), porque exerce a função

de sujeito do verbo no infinitivo (LER). Essa função só pode ser

exercida pelos pronomes pessoais retos, nunca por pronomes

pessoais oblíquos, como é o caso do pronome MIM.

Conclusão:

A diferença entre PARA MIM e PARA EU está na presença ou não

de um verbo (sempre no infinitivo) após o pronome.

A regra é clara: PARA + EU + INFINITIVO.

Este documento é PARA MIM.

Este documento é PARA EU escrever.

O abacaxi é PARA MIM.

O abacaxi é PARA EU descascar agora.

Entregou o bilhete PARA MIM.

Entregou o bilhete PARA EU ler depois.

 

Portanto, sempre que houver um verbo no infinitivo, devemos

usar os pronomes pessoais retos, qualquer que seja a preposição.

Ela fez isso POR EU estar cansada.

Ela chegou antes DE EU sair.

 

Pode-se encontrar PARA MIM diante de um infinitivo sem que esteja

errado, como nestes enunciados:

É importante PARA MIM fazer alongamento numa academia.

Está sendo difícil PARA MIM aceitar sua transferência.

Foi mais interessante PARA MIM ler sua redação do que para

você escrevê-la.

Veja que nas frases acima aparentemente estamos contrariando a

sequência para + eu + infinitivo. Revendo a regra, temos que o

pronome é “reto” quando sujeito do infinitivo.

Acontece que nessas frases o infinitivo não tem um sujeito, ele

(infinitivo) é o próprio sujeito da oração principal.

Veja agora na ordem direta:

Fazer alongamento numa academia é importante PARA MIM.

Aceitar sua transferência está sendo difícil PARA MIM.

Ler sua redação foi mais interessante PARA MIM do que (foi)

para você escrevê-la.

 

Observe a sutileza:

PARA MIM estudar é uma alegria.

Como nos casos acima, o pronome oblíquo MIM não é sujeito

de ESTUDAR.

Veja que houve apenas uma inversão na ordem natural da frase.

Em ordem direta, teríamos:

Estudar é uma alegria para mim. (Para mim funciona como

complemento de estudar.)

Para deixar clara a função de complemento de para mim, convém

separá-lo do verbo por uma vírgula. Assim:

 

PARA MIM, estudar é uma alegria.

 

E acrescento:

Compartilhar conhecimento, também.

 

MIM

                       EU

 

Fontes:

Português sem complicação – Pronomes, Professor Sérgio Nogueira

1001 Dúvidas de português, José de Nicola e Ernani Terra

www.linguabrasil.com.br

Anúncios